11 de fevereiro de 2019

ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA, DE JOSÉ SARAMAGO


Olá! ♥️
Como vai?

Se você ainda não leu com certeza já ouviu falar no livro de José Saramago, Ensaio Sobre a Cegueira, uma das obras portuguesas mais comentadas e aclamadas também no nosso país. Publicado pela primeira vez em 1995 o livro de Saramago é referência para autores mais velhos e os mais jovens também, apesar de narrativa incomum.


Tudo pode acontecer na vida, mas será que você já parou para imaginar como seria se em algum momento, numa atividade comum do seu dia-a-dia, você ficasse cego? Foi o que aconteceu com o rapaz no meio de um trânsito agitado, logo após a luz verde do semáforo liberar a passagem dos automóveis. E além dele, mais tarde, no dia seguinte... outras pessoas terão suas visões esbranquiçadas e nada mais será visto. Ninguém sabe o que está acontecendo, cogitam a hipótese de uma epidemia, mas não há problema algum que possa denunciar a cegueira dessas pessoas. E é no meio dessa agonia que a narrativa se desenrola.
"Num movimento rápido, o que estava à vista desapareceu atrás dos punhos fechados do homem como se ele ainda quisesse reter no interior do cérebro a última imagem recolhida, uma luz vermelha, redonda, num semáforo."
Abrindo mão do formato comum de narrativas, Saramago apresentou uma narrativa atípica, cujos discursos não se distinguem pelo uso de travessão, como de costume. O discurso direto e o indireto se misturam e se juntam ao caos que se faz a vida dos personagens da história tornando um texto muitas vezes confuso e acelerado. Isso devido também ao uso de letras maiúsculas para indicar que alguém está falando na primeira pessoa. Talvez a escolha da narrativa acelerada seja proposital e dialogue perfeitamente com os sentimentos que o leitor tem enquanto ler.

E é quase impossível não sentir-se abafado numa agonia incessante enquanto lê. As descrições e imagens criadas tem um poder catártico e nos insere naquela realidade facilmente, o que permite que o leitor se coloque no lugar do personagem e imagine como seria não ver nada de repente - a sensação não poderia ser mais desesperadora e agoniante. Se essa foi a intenção do autor ele chegou com louvor onde queria. 
"Conta-me como foi, o que sentiste, quando, onde, não, ainda não, espera, a primeira coisa que temos de fazer é falar com um médico dos olhos, conheces algum, Não conheço, nem tu nem eu usamos óculos, E se te levasse ao hospital, Para olhos que não veem, não deve haver serviços de urgência, tens razão, o melhor é irmos directamente a um médico, vou procurar na lista dos telefones, um que tenha consultório perto daqui."
Mas a cegueira da história passa longe de uma cegueira causada por alguma doença. À medida em que você lê percebe uma crítica certeira ao ser humano e seus valores perante a sociedade e ao próxima. É cegueira sobre enxergar e não querer ver, tapar os olhos para as mazelas e para a dura realidade de que o ser humano não é bom o tempo todo e que ele comete erros dos mais leves aos mais graves. A cegueira é completa, no que diz respeito ao outro e às questões políticas. Inclusive, talvez estejamos vivendo essa cegueira - o enxergar apenas o que lhe é conveniente ou enxergar até onde queremos. Cabe aqui um ditado utilizado no texto, é uma grande verdade a que diz que o pior cego foi aquele que não quis ver.
"A mulher do médico compreendeu que não tinha qualquer sentido, se o havia tido alguma vez, continuar com o fingimento de ser cego, está visto que aqui já ninguém se pode salvar, a cegueira também é isso, viver num mundo onde se tenha acabado a esperança."
Linguagem não tão fácil de ser lida, um texto necessário e extremamente atual. "Ensaio sobre a cegueira" traz à tona a realidade do ser - imperfeito - humano e muito dos valores que nos são perdidos durante a caminhada pela vida. Uma metáfora que belisca e nos faz sentir a agonia a qual nos permitimos viver de alguma forma.

Bjão,
até mais! ♥️

10 comentários:

  1. Cara...
    Estou sem palavras.
    Primeiro que, minha professora sempre indica Saramago e até ela confessou que tentou ler por 3 vezes o primeiro livro do autor e só conseguiu pois era uma meta, depois disso ela se entregou de corpo e alma ás obras.
    Estou encantada com a sua resenha e já estou à procura do livro para comprar. Do modo descrito nas citações, me vi. Uma mente inquieta e ansiosa ao falar.
    Amei demais!

    Brainstorms

    ResponderExcluir
  2. Esse livro muito me incomodou! Primeiro por esas narrativa atipica, eu ficava perdida para ler... foi ruim demais e demorei com a leitura que já vem em um português de Portugal que atrapalha mais ainda. Além disso, achei o final decepcionante. Ai...desculpa, mas não deu pra mim.
    Beijos,
    Monólogo de Julieta

    ResponderExcluir
  3. Eu li há muitos anos, sendo que foi o primeiro livro de Saramago que tinha em mãos.. Virei fã deste mestre que já li quase todas as suas outras obras! Mas este sem dúvida, é mágico! E não achei "difícil" de ler não.

    ResponderExcluir
  4. Oi Dih!
    Eu nunca li esse livro, mas conheço a história por causa do filme. Eu sei que as adaptações sempre perdem algo do livro, mas na época que o filme saiu, eu fiquei presa à história. Amei sua resenha e só ressaltou minha vontade de ler esse livro!!
    Bjs
    Adriana Cardoso
    https://almde50tons.wordpress.com

    ResponderExcluir
  5. Oi Diego, tudo bem?

    Estou querendo ler esta obra a algum tempo e ler sua opinião sobre a mesma, apenas me animou. Gostei do fato de saber que não distinção entre falas e pensamentos, e que isso proporciona uma leitura mais acelerada, creio que seja uma boa jogada do autor e iria curtir. Quanto a cegueira que ele traz, sem sombra de dúvidas é uma crítica fundamental e que se aplica em qualquer época (principalmente agora). As pessoas fecham os olhos para fatos importantes e se permitem "ver" apenas aquilo que lhes convem. Adorei o post, me despertou muita vontade de ler.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Nossa! Essa história é interessante demais, embora nunca tinha ouvido falar desse livro. É incrível como prende a pessoa a leitura de uma forma... Parabéns pela resenha bem feita.

    ResponderExcluir
  7. Não gosto muito do estilo de escrita do Saramago, apesar das histórias serem ótimas. Acho uma leitura difícil e pesada. Contudo, assisti ao filme e achei a história bem interessante, mas dá uma grande agonia em diversos momentos.

    ResponderExcluir
  8. Sempre que vejo esse livro imagino que não deve ser uma litira fácil e sua resenha me confirmou isso,porém ainda pretendo ler ele assim que tiver uma oportunidade.

    Ah! Amei o seu layout,muito lindo!

    ResponderExcluir
  9. Oi Diego! Quando vi essa foto no seu ig, fiquei doida pra ler sua opinião sobre ele. Eu nunca li o livro ou vi o filme. Mas sempre vi elogios a escrita de Saramago. Já me recomendaram bastante, justamente pelas críticas. Mas sempre achei que não iria curtir a escrita. Confesso que vou aos poucos baixando minhas guardas para certas leituras. E sua resenha me deixou com muita vontade de ler, principalmente com a crítica do "ver sem exergar". Adorei. Beijos
    https://almde50tons.wordpress.com

    ResponderExcluir
  10. Olá Diego, que tristeza a minha, ainda não o conhecia mas conheci através do seu post bem detalhado que conheci de verdade.
    Muito sucesso, seu blog é incrível e muito acolhedor, foi e é assim que estou me sentido nele. Muito bom gosto também de escolher as cores (me desculpe fugir um pouco do post)
    Abraços!

    ResponderExcluir

"Agora que você já leu, que tal participar deixando seu comentário?"

© Vida e Letras | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Colorindo Design
Tecnologia do Blogger