19 de maio de 2018

A Guerra que me ensinou a viver, de Kimberly Brubaker Bradley


Olá,
Você leu A guerra que salvou a minha vida, de Kimberly Brubaker Bradley? Se leu, com certeza ficou surpreso e feliz quando a Darkside (Darklove) anunciou a continuação da história emocionante da pequena grande heroína, Ada. Assim como eu você também estranhou ou sentiu medo, com receio de que uma continuação não fosse tão boa quanto foi o início? Muitos questionamentos inundaram minha mente quando fiquei sabendo da continuação, um deles foi:"é mesmo necessário mais um livro?". A minha resposta você poderá conferir a seguir.


Continuação de "A Guerra que Salvou a Minha Vida", traz o mesmo estilo de capa do primeiro livro e os personagens continuam cativantes.

Ada poderia estar vivendo dias melhores ao lado da mãe e do irmão. No entanto, enquanto uma guerra eclodia em seu país, ela tentava sobreviver a outra batalha dentro de casa. E quem diria que o que salvaria a garota desses dias de infortúnios seria a guerra? Acontece que quando Ada e o irmão fugiram, encontraram abrigo na casa de Susan, uma mulher que estava vivendo o luto pela perda da grande amiga. Juntos eles viveram e sobreviveram a uma grande batalha em suas vidas. Até que a mãe de Ada e Jamie os encontram. Em "A Guerra que me ensinou a viver" você lerá a continuação dessa história tão triste quanto bela, sobre amor, sobre descobertas e acima de tudo sobre aprendizado. Nunca é tarde aprender sobre a vida e sobre os sentimentos que nos movem.
"O amor não é tão raro quanto você pensa, Ada", disse ela. "Podemos amar todo tipo de gente, de todas as maneiras possíveis. E o amor não é de forma alguma perigoso." (Pág.: 186)
No segundo livro dessa história você reconhecerá Ada facilmente. A garota continua com uma personalidade forte e muito bem desenhada - assim como Jamie e os demais personagens -, seus traumas e a maneira com a qual ela segue entendendo o mundo continua muito bem justificável. Não há o que estranhar, tudo está colocado em seu devido lugar. A ambientação também continua a mesma, e o que muda é o espaço onde se passa a história. Você saberá o por quê quando continuar a leitura. 

Novos personagens são inseridos no enredo, enquanto alguns personagens antigos ganham a cena nesse momento da história. Perdas e momentos emocionantes prometem fazer você chorar, mas não lhe faltará sorrisos nos momentos engraçados e de felicidade. 


Sobre a narrativa também continuamos com a voz de Ada numa descrição de sentimentos confortante. A leitura é leve, agradável, direta, mas muito forte. No que se refere a Ada existe uma complexidade grande, devido aos traumas que sofreu desde muito cedo e pela deficiência que tem. A forma como ela age, o medo que a toma, assim como suas atitudes são consequências do que sobrou e faltou durante o processo de formação da sua personalidade. Portanto, embora Ada possa ser desagradável e arredia em muitos momentos há uma justificativa plausível para isso. Esse é aquela momento que você pode muito bem praticar a empatia e colocar-se no lugar de uma pessoa que passa por adversidades desde muito cedo.

É uma história com uma verossimilhança assustadora, mas também necessária. Ao mesmo tempo que choca, afaga e envolve o leitor numa experiência de leitura agradável e enriquecedora. É uma das histórias mais humanísticas que já li, que nos convida a repensar pré-julgamentos e a querer entender melhor o sentimento do outro.
'"Ada", disse a Susan, " as pessoas escolhem as próprias crenças o tempo todo. O sr. Collins não está mentindo. Ele prega o que crê genuinamente ser a verdade. A Ruth acredita genuinamente em outra coisa. E tudo bem." (Pág.: 101)
Portanto, depois de fazer uma apanhado do que você irá encontrar em "A guerra que me ensinou a viver" - prefiro fazer isso para não gerar spoiler - posso claramente responder à pergunta que deixei no início deste texto. Sim, esse livro realmente foi necessário, não é uma continuação com informações irrelevantes e um dos maiores prazeres é perceber como aos poucos Ada vai aprendendo palavras novas, sentidos e significados para cada uma delas. E além de tudo isso, é lindo ver como aos poucos ela vai entendendo o mundo e suas diferenças, o amor e seu real significado.

Um Beijo
com carinho.★ 

12 comentários:

  1. Olá Diego eu penso que é exatamente que aprendemos a tirar proveito da coisas que acontece .E a partir de experiências ruins que aprendemos ...
    Ótima pedida.
    www.robsondemorais.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Olá! Ainda não li nem a guerra que salvou a minha vida, mas já quero a guerra que me ensinou a viver haha. Fico feliz que seja uma ótima continuação e que não deixa a desejar. Quero muito ler

    ResponderExcluir
  3. U A U! Esse livro deve ser maravilhoso. Só o título já me deixou arrepiada. Lendo sobre o que você achou, já me apaixonei pela protagonista. A parte que você falou sobre praticar a empatia, me deixou com mais vontade ainda de ler. É algo que eu prezo muito essa tal da empatia...

    A capa não é algo que me levaria a ler o livro, mas a sua resenha me deixou intrigada.
    Vou colocar na minha listinha infinita rs

    Bjo

    ResponderExcluir
  4. Que espetáculo de enredo. Mesmo sendo continuação me parece que pode ser lido isoladamente. A tua resenha me trouxe uma série de curiosidades sobre os problemas de saúde dela e sobre isso problemas familiares. Vou procurar o livro!

    ResponderExcluir
  5. Esse livro é muito bom, estou incrivelmente chocada com tanta riqueza de detalhes, quanta entrega nessa resenha. Amei seu blog.

    ResponderExcluir
  6. Que livro incrível a história parece ser muito interessante. ameei conhecer um pouco mais sobre o livro

    ResponderExcluir
  7. Oi Di!!
    Muito legal quando uma continuação nos dá algo novo e não nos decepciona. Já peguei tanta continuação desnecessária que as vezes nem fico feliz quando vejo algo sobre continuações.
    Ótima resenha como sempre!!
    Bjs
    https://almde50tons.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  8. Olá!
    Assim como você tenho uma grande receio com continuações rs' bate um friozinho na barriga né?
    Eu sou doida para ler esse o primeiro livro, apesar de não gostar muito de livros com a guerra como pano de fundo, é bem triste demais e acabo ficando na bad,mas toda resenha que leio fico louca de curiosidade em conhecer essa personagem e história. ótima resenha!

    beijos!

    ResponderExcluir
  9. Olá Diego
    Eu não fiquei surpresa quando a DarkSide lançou a contínuação porque eu vi que tinha um segundo livro através do Goodreads hehe,mas fiquei super feliz quando soube que ia ser lançada no Brasil.
    Quero ler esse livro 😍😍só ouço elogios sobre ele e pelo que eu li não apenas na sua resenha ,mas em algumas outras ,o livro continuou incrível

    Ótima resenha

    Beijos

    Meu mundinho quase perfeito

    ResponderExcluir
  10. Oi, Di!
    Eu li o primeiro livro e não gostei taaanto assim. Por isso, nem fui muito atrás dessa continuação.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  11. Eu passando pelos blog vejo todo mundo falando de livros e leitura, adorei seu post e qnd li me inspirei muito p voltar a ler!

    ResponderExcluir
  12. Eu to namorando essa "Continuação" esperando preço baixar um pouquinho... O livro anterior foi a minha melhor leitura do ano!
    xoxox

    ResponderExcluir

"Agora que você já leu, que tal participar deixando seu comentário?"

© Vida e Letras | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Colorindo Design
Tecnologia do Blogger